quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

A lição do bode preto – Mestre Jesus


Saudações minhas crianças,

Que lindo dia os irradia nessa manhã. Saúdem as bênçãos do novo que aponta em seus caminhares.

Hoje lhes trago uma imagem do bode preto irritado a te olhar fixamente com seus olhos negros, prestes a te atacar. Na sabedoria ancestral esse era o símbolo que representava as energias inferiores, os aspectos negativos do ser humano, representando a ira e a dureza da alma que se fecha a sua própria luz.

A cena, um tanto dantesca, nos lembra os medos expostos, a insegurança manifestada pelo ataque, pela ira, daquele que no fundo teme a vida.

Mas a imagem do bode não nos diz sobre aquele animal a nos atacar, mas sobre o julgamento que trazemos dentro de nosso coração. O bode nos mostra nosso próprio medo, o receio de sermos atacados, violentados, usurpados daquilo que pensamos possuir. O bode nos tira nossa paz e nos conduz a nossos medos mais profundos.

O animal é a representação de que ainda adentramos no jogo da ilusão, permitindo que aquilo que está externo a nosso ser nos conduza à ilusão, à inferioridade, ao julgamento e nos torne iguais ao bode, amedrontados e prestes a nos defender atacando.

O bode não é a representação do mal, mas do julgamento que trazemos dentro de nós, do revanchismo, da ira, pois esse mesmo animal que é visto como a representação das energias inferiores pode também ser observado por nós como a ovelha desgarrada que teme se perder de seu rebanho.

Pois meus filhos, qual a diferença entre o bode e a ovelha que aconchego em meu colo a alimentar e saciar sua sede, dando-lhe o aconchego do carinho de meu coração?

Eu lhes digo, meus filhos, a diferença está não no bode ou na ovelha, mas em nosso olhar. Vemos o bode como a representação do mal e a ovelha como feição do amor porque julgamos as aparências.

Atentem-se que apesar de nosso olhar de julgamento, ambos representam o mesmo, um ser, um animal. A diferença entre ambos está em nosso olhar que não consegue enxergar no temor do bode, o pedido por amor. Sim, meus filhos, ao manifestar o temor, a ira, ele pede por amor, por acolhimento, pois teme o que pode lhe acontecer e então ataca.

Mas quando o vemos nesse estado de temor somos tomados pelo mesmo sentimento, o medo de sermos atacados, e então julgamos o bode preto irado como uma representação da negatividade, dos sentimentos inferiores e não percebemos que esse sentimento não está no bode, mas em nosso coração.

Em nosso coração se manifesta o medo do animal que nos faz trazer essa representação do medo, da inferioridade do ser humano, da negatividade.

Mas, filhos, esse é um estado que se encontra em nosso coração, pois apenas vemos a capa, a imagem do bode e nos esquecemos que dentro desse animal há a mesma luz da ovelha. Esquecemo-nos desse aspecto porque imergimos em nossa própria densidade, entramos no jogo da ilusão e nesse estado não somos capazes de observar a verdadeira natureza do bode, que não difere da ovelha senão em nosso coração. Mas podemos aprender a amar o bode preto, transformando-o em luz e amor em nosso coração.

Se observarmos o bode preto como um animal que está temeroso, que sente solidão ao não saber aquilo que nossa presença pode lhes causar, passaremos a nos atentar à luz desse animal, à tristeza que traz dentro de si. E a partir dessa luz a representação do temor simplesmente se esvai, o bode deixa de ser a representação do negativo quando observamos e compreendemos a beleza de sua natureza.

Vocês, filhos, são como o bode no caminhar da vida. Vocês se irritam, brigam com a vida, mas depois de tanta luta, vão se acalmando, tornando-se mais suave, mais puros, conhecedores da verdade. Pois todos vocês são sementes de luz a brilhar em amor. Mas muitas vezes, o seu olhar restrito da matéria, pode distorcer a realidade da pureza e beleza do que é a vida. Do que são as pessoas, a batalharem pelas suas próprias transformações e superação dos seus aspectos negativos.

Ao observar alguns irmãos que estão em processo de resgate durante a encarnação, mas que ainda não conseguem seguir completamente o caminhar da luz, o sentimento que brota em seu interior é o de julgamento, ao observar e sentir as energias que emanam de pessoas que ainda estão envolvidas em sombras.

O véu ainda existe diante do olhar que vocês direcionam aos que vivem em sombras, filhos. Percebam que, durante a minha vida encarnado como Jesus, estive convivendo entre pessoas das mais diversas densidades energéticas, mas que, diante do meu olhar amoroso, sempre foram ovelhas amorosas e perdidas do rebanho, a buscar a sua verdadeira família, a sua verdadeira essência.

O bode preto, que tanto vocês conhecem como um ser inferior, um símbolo de energias inferiores, com comportamento agressivo, a atacar vocês, filhos, é apenas a manifestação do preconceito e da visão do outro humano através do véu da matéria. Mas que na verdade era apenas uma ovelha perdida do rebanho, a buscar auxilio e amor.

Portanto, queridos amados, percebam que não há bodes pretos, que não há energias inferiores. Que há somente luz e amor. A imagem que criam em suas mentes de energias inferiores são apenas ilusão, criada a partir do preconceito e a não permitirem a manifestação do amor.

A ovelha amada que é abençoada por mim é o mesmo ser que muitas vezes vocês observam como o bode preto. E por isso, filhos, também amo a todos vocês. Pois, diante da visão distorcida da matéria, amados filhos, vocês sempre serão bodes pretos e ovelhas caridosas em momentos diferentes das suas vidas. E sempre amados incondicionalmente por mim.

Sustentem esse amor dentro dos seus corações. Permitam que o bode preto seja amado, e transformado em amor e luz, pois assim ele é, como vocês que trouxeram luz a esse planeta através do amor que irradiam entre vocês.

Não há energias densas e elevadas, filhos. Há somente ovelhas desgarradas do rebanho, que buscam somente serem amadas.

Essas ovelhas são vocês mesmos que, em repetidas experiências também erraram, mas a partir do olhar compassivo de alguém que percebeu que não eram bodes pretos e sim ovelhas perdidas do rebanho, estenderam as mãos amorosamente, a ajudá-los e amá-los, reintegrando vocês à sua verdadeira família, que somos todos nós, Mestres, Anjos, Seres de luz, e vocês, queridos amados, que fazem parte dessa grande família de amor e paz.

Sustentem o olhar compassivo amoroso por todos os seres, pois todos são o reflexo de vocês mesmos em episódios diversos das suas próprias histórias de aprendizados nesse e em outros planetas. Sustentem a visão amorosa que vim a ensiná-los através da minha experiência de vida quando mostrei a vocês como é possível amar incondicionalmente, até o mais violento dos opressores, pois a escuridão não resiste ao amor, queridos.

A luz dissipa toda a escuridão. E o olhar amoroso e compassivo diante da sombra, transformará em luz. Mas para isso, desconectem-se do julgamento, que os faz criar a imagem do bode preto, manifestado ao olharem para aqueles que julgam inferiores.

Fiquem em paz e envolvidos no meu amor.

Sou Mestre Jesus

Canal: Thiago Strapasson e Michele Martini – 23 de fevereiro de 2017

Fonte: http://www.pazetransformacao.com.br/