Translate

sexta-feira, 19 de março de 2021

A Energia dos Alimentos - Um guia para a alimentação intuitiva - Cap 16 - Fazer esforço físico perde ou ganha energia? Devemos fazer atividades físicas?


Ao praticar atividade física, não estamos movimentando apenas o corpo, mas sim trabalhando a mente. O mais importante exercício é o da mente nessa atividade, e é ele que mantém a atividade acontecendo, se desenvolvendo, e que também faz com que busquemos por essa atividade.

Atividade em si, desapegada da mente, não teria propósito, visto que sabemos que uma pessoa em estado de meditação, quando conecta com a consciência e silencia a mente, não é beneficiada pela atividade física, pois não atua no corpo, e sim na mente que naquele momento não comanda a vida.

O comando enviado pelo coração, que pulsa em batimentos acelerados durante a prática de atividade física, é algo que acalma a mente. A mente recebe a mensagem de que está tudo certo, tudo funcionando na mais perfeita capacidade física, e então relaxa. Pois então a atividade física é nada mais do que um consolo para a mente, do que uma forma de mantê-la estável, mas não inativa.

Damos algo para a mente observar, focamos naquilo que estamos fazendo, e então ela passa a estabilizar.

O benefício da atividade física para todo o sistema está justamente na estabilidade da mente, que permite que o corpo seja livre, que entremos em conexão com a consciência.

Sabemos que o pensamento, a mente acelerada que quer estar em diversos lugares e situações simultaneamente, nos faz perder energia. Podemos observar com um simples exercício. Procure praticar a atividade física de costume com a mente livre de pensamentos e estável, e concentre-se apenas no exercício que está executando, note como o exercício se torna mais fácil, mais leve de ser executado. Mas quando pratica a mesma atividade com a mente acelerada, pensando em situações que não são as que vivencia naquele momento, situações quaisquer que não sejam a própria atividade física, perderemos energia, nos desgastaremos para executar a mesma atividade, além do comum, pois estamos trabalhando com a mente desconectada do corpo.

A mente divaga e passeia, enquanto o corpo trabalha. Isso nos faz perder energia de forma desnecessária.

O importante não é a prática da atividade física, mas o exercício de manter a mente estável. Aquele que pratica o exercício físico com a mente dispersa, e não focada no exercício, perde totalmente o benefício do mesmo, acaba se cansando, se lesionando, perdendo energia.

Quando trabalhamos com a mente em paz, estável, e focamos apenas no exercício, permitimos que a energia seja trabalhada como um ciclo. O nosso corpo se torna um canal de entrada e saída de energia, gera energia, mas também recebe, regenera. Dessa forma sim, o exercício é positivo.

Quando praticamos um exercício físico do qual não gostamos, ou mesmo em um ambiente que não nos sentimos à vontade, teremos maior dificuldade em conectar no momento presente. Praticamos a atividade, mas a mente está longe a divagar. Essa prática é completamente uma perda de energia desnecessária e mais prejudicial do que se não praticasse nenhuma atividade, ou mesmo se substituísse por uma simples meditação em um ambiente agradável, onde sinta-se à vontade de estar ali, no momento presente, sem as fugas da mente para outros locais.

Somos seres multidimensionais, temos a capacidade de nos projetar para onde quisermos, para onde a nossa mente nos levar. E por isso, podemos estar em vários locais simultaneamente. Quando estamos no parque, mas a mente está no trabalho, estamos nos projetando naquele ambiente e lá direcionaremos a nossa energia. Então, mesmo ainda no parque, que supostamente seria um ambiente agradável, podemos nos exercitar de forma a perder energia, e não a trabalhar na renegeração e equilíbrio dessa energia dentro de nós.

Dessa forma, ao praticarmos uma  atividade física, podemos nos tornar transformadores de energia, criadores e regeneradores da mesma, ou podemos nos tornar perdedores de energia, quando não estamos no aqui e agora, focados na atividade.

O foco na atividade é apenas o início, ele é o desvio da mente para que não divague, para que relaxe e permaneça estável, mesmo que ainda trabalhando, mas o objetivo final é o silenciar completo da mente. E por isso a meditação é uma forma de trabalhar esse objetivo, da mesma forma que o exercício físico.

O único benéfico do exercício físico é permitir que o corpo receba e envie energia, mas sem perdê-la, apenas a transformando, regenerando a energia dentro de nós mesmos mesmo que permaneça sempre dentro de nós. Não se trata de perder e ganhar, da energia sair de nós e entrar, mas se trata de uma transformação interna, de uma renovação energética interior. Essa renovação energética é o real benefício do exercício físico, mas o que precisamos lembrar é que essa renovação pode ser feita de várias formas e não somente com a prática de um esporte ou de uma caminhada. Podemos trabalhar essa renovação quando temos completo controle sobre as nossas emoções e sobre a nossa mente, sem a necessidade de nos movermos de onde estamos.

Em estado de meditação, podemos movimentar as energias, podemos ser meditativos conscientes o tempo todo, durante a execução de todas as atividades diárias, como o trabalho, cozinhar, se alimentar... esse estado meditativo torna possível renovarmos a energia o tempo todo. E enfim não é necessário reservarmos um tempo para algum exercício para trabalharmos isso.

A rotina do ser humano é ir até o trabalho, doar a sua energia, perdê-la, e depois repô-la com o alimento ou uma atividade leve. Isso apenas acontece porque a maioria de nós ainda não é capaz de controlar as emoções e a mente, não é capaz de trabalhar todas as experiências em estado meditativo, para promover a renovação energética o tempo todo.

Quando alcançado esse estado, tudo o que fazemos, todas as atividades que praticamos, sejam elas de trabalho ou lazer, serão exatamente iguais em termos energéticos. Em todas elas estaremos em estado de paz e equilíbrio, a trabalhar a constante renovação energética em nossos corpos. Mas para isso é necessário nos desvincularmos das emoções, dos padrões, das formas de pensamento antigas, da autopunição, e de todos os comportamentos compulsivos. Enfim, é necessário trabalharmos o desvincular da mente para então silenciá-la, e permitir que vivamos de forma íntegra com a nossa consciência.

A atividade física é necessária para alguns, os exercícios condicionam a mente a estar apenas focada em uma atividade, o que é positivo, é o ato de doutriná-la, para que um dia seja capaz de sair de cena, de silenciar e estabilizar, não atuando mais nas nossas vidas, e dando lugar à conexão com a consciência.


Michele Martini - 19 de março de 2021.

Fonte: www.pazetransformacao.com.br