terça-feira, 11 de julho de 2017

6. Como trazer o amor, mesmo em meio à escuridão?


Quando iniciamos a nossa jornada encarnacional, decidimos vir até aqui e viver a experiência na matéria, temos ciência de que seria sim um desafio, colocaremos em cheque todas as certezas, todas as seguranças e traríamos a oportunidade enfim de colocar em prática todo o aprendizado teórico.

Estar em um ambiente sutil, livre da influência da malha energética de sofrimento planetária, é um deleite para a alma. Mas aqueles que se colocam como voluntários a buscar a própria transformação e também a contribuir com a transformação planetária, vindo até essa experiência, materializado em um corpo físico, são verdadeiros guerreiros corajosos que enfrentam as suas próprias sombras.



Estamos todos aqui a brilhar e a iluminar cada vez mais as nossas próprias sombras interiores. E cada vez que nos recordamos disso, encontramos mais força a enfrentar as nossas próprias dores, a ser verdadeiramente a materialização do amor.

Estamos inseridos sempre em meio à escuridão. Pois há a escuridão dentro de nós que viemos aqui a iluminar. E essa iluminação e purificação contribuirá para o aumento do coeficiente planetário de luz e amor. A escuridão interior, aquela que não aceitamos olhar, por nos causar dor e sofrimento. É a porta que nos levará ao estado de plenitude. Será necessário de fato viver a experiência da forma que se apresenta, se deixar levar pela própria intuição, sem julgamento, sem crítica, mas apenas deixar fluir tudo o que a intuição guiar. A levá-lo para aquela experiência necessária que o fará iluminar a sua própria sombra.

Os nossos corpos são puramente a luz, mas em nossas raízes há algumas informações armazenadas de dor e sofrimento que são o nosso lado “escuro”. Não entendam “lado escuro” por algo que é de fato o mal. Mas compreenda que o mal existe nas nossas raízes. E esse mal é direcionado, em primeiro lugar, a nós mesmos. Pois nos impede de sermos plenamente felizes.

E, portanto, estamos todos aqui, buscando formas de irradiar amor nesses pontos de escuridão interior. E dessa forma irradiamos também para todo o ambiente que necessita de luz. Pois transcendemos o medo de enfrentar aquilo que era o nosso objeto de sofrimento.

As experiências se repetem, se repetem, e a cada repetição estamos mais fortes, mais sábios, mais corajosos a de fato abrir aquela porta e receber a informação que era guardada, e que não queríamos enfrentar por nos trazer sofrimento. Preferíamos deixá-la guardada, pois lá estava protegida, como uma fera que viria a nos ferir. Deixamos ela aprisionada como uma forma de proteção. E vamos, aos poucos, nos fortalecendo para que um dia possamos abrir a grade dessa jaula, e libertar aquele que nos causa medo, que esteve sempre guardado, mas que não tínhamos coragem de olhar. E esse ciclo se repete.

Gradativamente, vamos até o portão da jaula e olhamos a fera, olhamos o objeto do nosso medo. Olhamos e alimentamos dentro de nós cada vez mais o sentimento de medo de realmente abrir a porta dessa jaula. Mas sabemos, dentro de nós, que um dia isso terá que acabar. Que um dia você terá que abrir essa porta e enfrentar. Mas não agora, você pensa. Estou vivenciando tantas batalhas interiores, tantos aprendizados nesse momento, que isso seria tão forte a ponto de me desestabilizar, eu traria muita infelicidade nesse momento se decidir abrir essa porta.

Então ela permanece fechada, mas você sabe que está ali. E então você segue a sua vida, mas há aquele sentimento que algo lhe falta, que você não está totalmente completo. E sabe, mas não quer aceitar, que necessita transcender aquele obstáculo que deixou guardado. E que apenas essa transcendência o levará mais próximo da sua libertação.

Compreenda que, assim como você está ligado a esse objeto de sofrimento, muitos outros também estão, pois vivemos em uma rede multidimensional de conexões, quando você adquire maturidade suficiente para enfrentar esse desafio, abrir a jaula, e de fato transcender essa experiência com amor no coração, você liberta tantos outros que permaneceram também aprisionados nessa experiência juntamente contigo, a nível multidimensional.

Com o tempo você se fortalece, você olha para a porta da jaula, e vai adquirindo coragem. Vai buscando a si mesmo espiritualmente, se fortalecendo, trabalhando vários aspectos que moram em ti, como o medo, e então aprende a se conectar no coração.

A maior força, que movimenta todos nós, fonte infinita de energia, coragem, paz e plenitude, é o amor. Você aprende a se conectar à fonte desse amor, através do coração. E então começa a perceber que não há desafio que você não possa enfrentar, não há obstáculo que você não possa transcender, e não há jaula que não possa ser aberta, pois você estará ali, do lado de fora, esperando o que for que sair de dentro da jaula, mas que será apenas iluminado com o seu coração. E você permanecerá intocado, envolvido nesse amor.

Então, você aprende a ser um canal de amor, e ilumina o seu maior objeto de sofrimento, de medo, de enfrentamento. E dessa forma ilumina de forma amorosa, toda essa escuridão, que continua fazendo parte de ti, mas que agora é também amor.

Michele Martini
Fonte: www.pazetransformacao.com.br